Horários de Visitas
Ouvidoria
Contate-nos

Imprensa

Setembro amarelo: Hospital Regional São Paulo cria jardim de girassóis para lembrar vítimas de suicídio

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 
O setor de Emergência do Hospital Regional São Paulo (HRSP), de Xanxerê, é a porta de entrada para o atendimento de casos de tentativa de suicídio e, por isso, foi o local escolhido pelo Grupo de Humanização Hospitalar para desenvolver a primeira ação de conscientização da campanha Setembro Amarelo. No canteiro em frente ao setor, os integrantes do grupo montaram um verdadeiro jardim com 180 girassóis, o número representa as mortes que ocorrem a cada 2 horas no mundo, em razão do suicídio. Outras duas atividades de conscientização estão programadas para ocorrerem ao longo do mês.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada 40 segundos uma pessoa tira a própria vida no mundo. No Brasil, mais de 11 mil pessoas morrem a cada ano.  A ideia da ação, conforme a coordenadora do Grupo de Humanização e psicóloga, Denise Sasso, é chamar a atenção da comunidade sobre o alto número de suicídios. “Nós criamos o jardim com o intuito de falar sobre o tema. É difícil falar sobre suicídio, seja por vergonha, por desconhecimento do assunto ou por medo, mas é justamente o ‘não falar’ que acaba prejudicando. A iniciativa é abrir o assunto e mostrar para a sociedade que isso está acontecendo, o número de mortes por suicídio é alto e que vem crescendo no decorrer dos últimos anos”, explica.

O girassol foi a flor escolhida para a ação em razão da simbologia que carrega. Além de ser da cor amarela, que representa a campanha, a flor gira em busca da luz solar, segundo a cultura popular. Além dos girassóis, foram fixadas no local algumas placas que trazem os dados alarmantes do suicídio e o número 188, do Centro de Valorização da Vida (CVV), uma entidade que realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, 24 horas por dia.
interna.jpg
interna3.jpg
interna2.jpg

Outras ações

Para o dia 10 de setembro, o serviço de psicologia do HRSP, em parceria com o Grupo de Humanização, programou uma panfletagem para pacientes, acompanhantes e visitantes do hospital, com o intuito de repassar orientações de prevenção como sinais que podem despertar o alerta sobre o suicídio e dicas de onde procurar ajuda. A ação deve ocorrer às 14 horas.

Já para o dia 25 de setembro, fechando as ações do mês, está programa uma mesa redonda intitulada: “Vamos falar sobre suicídio na infância e adolescência?”. “O tema será abordado devido aos índices crescentes de tentativas de suicídio nesta faixa etária, bem como, a importância de falar sobre o assunto nos mais diversos contextos contemporâneos. Para a discussão, contaremos com profissionais da psiquiatria, psicologia e serviço social”, informa a psicóloga do HRSP, Eliandra Solivo.
 
O evento será realizado no auditório do HRSP, às 14 horas, e tem como público-alvo profissionais da saúde de instituições públicas ou privadas, acadêmicos de Psicologia e Enfermagem e público interessado em geral. Para participar, basta confirmar presença até o dia 20 de setembro pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.  e/ou telefone (49) 3441-7777 (solicitar ramal do Setor de Psicologia).

setembro-amarelo1.png

Orientações

Apesar de ser um assunto bastante complexo, a prevenção do suicídio é possível e algumas ações podem ser feitas por todas as pessoas. Permitir que desabafem e falem sobre os sentimentos sem receber críticas é um meio de evitar que se pense na morte como solução para as dores. Fique alerta para algumas dicas do Setor de Psicologia do HRSP:
 
  • Pessoas sob risco de suicídio:
  • Comportamento retraído, dificuldade para se relacionar com a família e amigos;
  • Casos de doenças psiquiátricas;
  • Alcoolismo;
  • Ansiedade ou pânico
  • Mudança na personalidade, irritabilidade, pessimismo, depressão ou apatia;
  • Mudança no hábito alimentar e de sono;
  • Tentativa prévia de suicídio;
  • Sentimento de culpa, de autopunição, baixa autoestima;
  • Perda recente importante;
  • História familiar de suicídio;
  • Sentimento de solidão, impotência, desesperança;
  • Cartas de despedida; doença física crônica, limitante ou dolorosa;
  • Falar repentinamente em morte ou suicídio.
Algumas frases também podem despertar o alerta. Ao ouvir, preste atenção e tente entender mais o que se passa com quem estiver falando. Alguns exemplos: “Eu preferia estar morto”, “Eu não posso fazer nada”, “Eu não aguento mais”, “Sou um perdedor e um peso para as pessoas”, “Os outros vão ser mais felizes sem mim”.


  • Como ajudar pessoas com risco de suicídio?
  • Ouvir atentamente sem julgar a pessoa;
  • Procurar compreender o que se passa e não tentar minimizar o sofrimento do outro;
  • Respeitar as queixas da outra pessoa;
  • Demonstrar preocupação e afeto;
  • Manter-se calmo;
  • Propor ajuda para lidar com a situação;
  • Oferecer ajuda para procurar algum profissional, psicólogo e/ou psiquiatra.
 
  • O que não fazer?
  • Julgar a situação;
  • Desprezar os sentimentos do outro;
  • Ficar em pânico e envergonhado;
  • Desafiar a pessoa a continuar em frente;
  • Jurar segredo;
  • Fazer o problema parecer bobagem;
  • Tentar se livrar do problema.
logo_footer.png
Rua Celestino do Nascimento, N. 373
Xanxerê - SC | CEP: 89820-000
+55 049 3441-7777
falecom@hrsp.com.br

Diretor Técnico Responsável:
Dr. Mário A. Marques
CRM/SC 7544 | RQE 2866
© Copyright 2019 Hospital Regional São Paulo. Todos os direitos reservados.